466º dia após a cirurgia Bariátrica ou Gastroplastia

Não adianta emagrecer para melhorar, é preciso melhorar para emagrecer.

Foi esta a frase que mais marcou minha consulta com a Dra. Denise Carreiro, nutricionista mega master plus advanced.

Bibi já se trata com ela e muitos dos seus problemas alérgicos simplesmente sumiram apenas alterando a alimentação. A mudança de humor e a falta de seus espirros diários me levaram a conhecer a famosa Denise.

Foram 2h30 de consulta, ela explica muito bem todo o processo de absorsão dos nutrientes.

[youtube=http://www.youtube.com/watch?v=bUSWqgXsNzU&feature=player_embeddedw=320]

Resumindo muito a conversa posso dizer que eu me alimento mal desde bebê, aliás só eu não, toda a humanidade vem sofrendo com um verdadeiro Tsunami de produtos industrializados. Pra ela o melhor era a época da vovó, onde a comida era fresca, natural, diversificada e o mais importante, feita a mão.

Estamos nos alimentando cada vez mais em quantidades inacreditáveis
Estamos nos alimentando cada vez mais em quantidades inacreditáveis

Hoje somos estimulados a comer como Mastodontes, veja no supermercado. É saco de batata Rufles de meio quilo, Coca-Cola 3 litros, chocolatões, em fim… uma caralhada de tranqueira sem o menor valor nutricional.

As tranqueiras não são o problema, mas sim a quantidade de vezes que as comemos. O natural para o organismo é comer 100 g. de carne por refeição, alguns vegetais, um pouco de cereal e acabou. Nada de açúcar, trigo, soja, leite. Acontece que toda a alimentação industrializada que quebra o nosso galho no dia-a-dia contém exatamente estes ingredientes, porque são mais baratos devido sua produção em escala.

Fast Food Fast Fat - Somos reféns da indústria alimentícia... será?
Fast Food Fast Fat - Somos reféns da indústria alimentícia... será?

Para ela a obesidade é uma resposta inflamatória do organismo que pode ser revertido, não comendo pouco, mas comendo bem. Comer pouco faz exatamente o contrário disto. Faz o corpo entrar em estado de alerta e guardar reservas. Segundo a Dra. o cérebro é o único orgão que não tem reserva de energia… sou seja, não existe cérebro gordo (ainda bem…) e por isso ele precisa de energia constantemente, dai a importância de comer de 3 em 3 horas.

Quando o cérebro percebe a queda de glicose por um período maior que 3 horas ele fica doido e manda o organismo guardar mais e tirar energia dos músculos, ou seja, você perde massa magra e ganha massa gorda…. Sinistro né.

Uma parte da nossa conversa você pode conferir nesses dois vídeos dela, muito interessante. Se quiser ver todos clique aqui.

[youtube=http://www.youtube.com/watch?v=cER3Y-4aqS0]

 

Resumindo, sob orientação dela, após o fim da ano tenho que entrar em um tratamento de choque para estabilizar os nutrientes no organismo para depois prosseguir com o tratamento. Com a Bibi funcionou, espero que funcione comigo também.

Já deixei o Centrum de lado e passei a tomar um monte de outros suplementos feitos sob encomenda que se adaptam melhor ao processo digestivo do gastroplastizado.

Por falar em coisas boas , hoje dei uma caminhadinha de mais ou menos uns 8 km… pra entrar no clima.

Ah! Pra quem quiser conhecer melhor sobre a Denise aqui vai seu site> http://www.denisecarreiro.com.br/

 

Uma resposta para “466º dia após a cirurgia Bariátrica ou Gastroplastia”

  1. Pois é amigos. A cirurgia é de grande ajuda, mas não faz milagres e não é a solução definitiva.
    Até por que existem vários efeitos colaterais. Após ter perdido muito peso, com um ano de cirurgia, me veio a notícia que teria que passar por outra cirurgia.
    Desenvolvi pedras na vesícula e isso praticamente me obriga a passar por novo procedimento cirugico.
    As pedras sugiram provavelmente em decorrência da bruta mudança de hábitos e metabólica que passei. Não culpo a cirurgia, mas sim o hábito de vida que me levou a operar.
    O importante é que estou hoje muito (muiiitttooo) mais saudável. Antes da cirurgia eu era um pé na cova…… Pressão alta, diabetes, esteatose epática, obesidade…… Tomava remédio para tudo.
    Parar de comer doces para mim não foi muito difícil, já que também sou ex-fumante. Então é só associar um mal com o outro e viver um dia de cada vez, sabendo que a menor recaída pode ser o início de um novo drama. Então tô fora !!!!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *